O que eu achei do live – action de “A Bela e a Fera”

Em 17.03.2017   Arquivado em CINEMA

Ontem eu assisti ao filme mais esperado de 2017: A Bela e a Fera.  E, sim, eu saí do cinema ainda mais apaixonada por esse clássico maravilhoso que marcou a minha infância.

Não é segredo nenhum que Belle sempre foi a minha princesa favorita da Disney. Destemida, sonhadora e leitora voraz, Belle é um reflexo de mim mesma. Eu me identifico demais com ela – e não apenas na personalidade, mas também na aparência física. Cabelos ondulados e castanhos? É … nós também temos isso em comum.

Por esses  (e por muitos outros) motivos, eu estava ansiosíssima para a estréia de The Beauty And The Beast. Queria muito ver a Emma Watson (minha eterna Hermione) dando vida a essa personagem tão querida – a Belle.

O roteiro do filme foi bem escrito e os atores muito bem cotados. Acho que a Emma conseguiu, definitivamente, entrar na pele de Belle. Dan Stevens também interpretou maravilhosamente a Fera (the beast). E nem preciso dizer quão bem Luke Evans conseguiu encarar toda a vaidade e a crueldade do Gaston, certo? A escolha dos atores foi acertada. Portanto, ponto positivo para o longa!

Precisamos falar sobre as canções do filme. Estavam maravilhosas! Como não se apaixonar por canções como Belle Reprise ( “I want much more than this provincial life”) ou  Tale as Old as Time (“Beraly even friends, then somebody bends unexpectaly”)?!

O figurino dos personagens estava de tirar o fôlego. O cenário foi extremamente bem caracterizado também.

No geral, o live action segue o itinerário do clássico produzido em 1991. Muitas cenas do live action estão idênticas às do desenho da Disney. Existe uma grande sintonia entre as duas produções. Você, com certeza, vai sair da sala de cinema com sentimentos nostálgicos (veja mais sobre isso aqui).

Se por um lado o longa de 2017 é fiel ao de 1991, por outro é possível afirmar que não houve muitas surpresas ou inovações. E isso, ao menos para alguns, pode ser considerado como um ponto negativo.

Gostei muito da representatividade que o filme trouxe para as minorias. É claro que um filme com Emma Watson no papel principal teria um apelo feminista. Na verdade, se você parar para pensar, o desenho de 1991 já era bastante feminista para a época (eu falo sobre isso aqui). Porém, eu adorei a forma como o live action intensificou isso.

O filme, na medida em que introduz um personagem gay (o LeFou), também representa os homossexuais.

Em suma,  eu amei esse novo filme. Ele mistura romance, animação e aventura, além de ter uma “moral da história” pra lá de importante.  Valeu à pena esperar. Pura e simplesmente.

E vocês? Já assistiram ao filme? O que acharam? Conta tudo! <3