Resenha: Enfeitiçadas (Jessica Spotswood)

Em 24.08.2017   Arquivado em LITERATURA

 

Sinopse:

Antes do alvorecer do século XX, um trio de irmãs chegará à idade adulta, todas bruxas. Uma delas terá o dom da magia mental e será a bruxa mais poderosa a nascer em muitos séculos: ela terá poder suficiente para mudar o rumo da história, para suscitar o ressurgimento do poder das bruxas ou um segundo Terror.

Quando Cate descobre esta profecia no diário de sua mãe, morta há poucos anos, entende que precisa repensar seus planos. Qual sera a melhor opção: servir a Irmandade, longe dos olhos vigilantes dos Irmãos caçadores de bruxas, aceitar uma proposta de casamento que lhe garanta proteção e segurança ou abandonar tudo e viver um grande amor proibido?

Prepare-se para se encantar com os jovens pretendentes de Cate, abominar o ódio e a repulsa que os Irmãos dedicam a meninas e mulheres, e aguardar ansiosamente pela sequência de As Crônicas das Irmãs Bruxas.

 

Enfeitiçadas é o primeiro volume de uma trilogia que conta a história de três irmãs bruxas: Cate, Maura e Tess.  As três, ainda muito jovens, perderam a mãe para um parto mal sucedido.

Todas, como era de se esperar, sofreram muito com a perda. Mas para Cate, a irmã mais velha, a morte da mãe foi ainda pior. Minutos antes de morrer, a mãe confiou a Cate uma importante e difícil tarefa: proteger a si e as irmãs mais novas.

Em uma sociedade que despreza as mulheres e abomina as bruxas, a segurança só é conseguida com muito custo.  Como se não bastasse portar a condição de mulher, Cate, Maura e Tess são também bruxas. Logo, para elas, se proteger significa o mesmo que esconder dos olhos de todos – e,  especialmente, dos olhos dos Irmãos – a magia que podem realizar.

Cabe pontuar que Os Irmãos é uma sociedade religiosa. Para eles, as mulheres já nascem más e pecadoras. Elas só conseguem se redimir por meio da submissão e da obediência. Enquanto solteiras, devem dirigir a sua lealdade ao seu pai e, se casadas, ao seu marido. O casamento é uma instituição tutelada e prestigiada, devendo as mulheres anunciar a sua intenção (de casar – se com alguém ou, ainda, de entrar para o convento) às vésperas de seu aniversário  de 16 anos. Caso não anunciem, os próprios Irmãos o fazem por elas: escolhem um pretendente e, assim, agendam a data da cerimônia religiosa.

Cate tem 15 anos e faltam poucos meses para o seu aniversário de 16. Logo, encontrar um pretendente é obrigatório. Ou será que entrar para o convento seria uma opção? Ela apenas sabe que precisa se decidir e em breve. E sua decisão deve estar em consonância com o pedido feito pela Mãe no leito de morte. Ela precisa estar próxima de suas irmãs. É necessário protegê-las da Irmandade- e isso, agora, é ainda mais imperativo, haja vista que Cate, ao explorar os velhos pertences da mãe, descobriu um diário e, dentro dele, uma profecia:

Antes do alvorecer do século XX, um trio de irmãs chegará à idade adulta, todas bruxas. Uma delas terá o dom da magia mental e será a bruxa mais poderosa a nascer em muitos séculos: ela terá poder suficiente para mudar o rumo da história, para suscitar o ressurgimento do poder das bruxas ou um segundo Terror.

Será que elas – Cate, Maura e Tess – são as garotas da profecia?

O que eu achei do livro:

Comprei Enfeitiçadas por dois motivos. Primeiro, porque eu adoro histórias sobre bruxas. E esta, em particular, me fazia lembrar de Charmed – uma série dos anos 90 de que eu gosto muito cujo tema é, justamente, três irmãs bruxas. Segundo, porque a capa me chamou bastante atenção.

Infelizmente, devo dizer que este livro me decepcionou bastante. Temos uma protagonista que, simplesmente, não sabe o que quer. Na maior parte do livro, ela está tentando se decidir se deve casar (e com quem deve se casar) ou se deve se juntar ao convento. Os personagens não tem profundidade. São monótonos.

Como de costume, em livros assim, existe um trio romântico.  Há Cate e mais dois pretendentes. De quem ela gosta mais?

A própria sociedade em que Cate vive, no século XIX, é pouca explorada. E isso é um erro. Não consegui entender se estávamos falando da sociedade vitoriana que todos conhecemos – ou se era uma sociedade oitocentista de um mundo à parte. Uma coisa é certa: se estamos falando da NOSSA sociedade vitoriana, existe uma infinidade de dissonâncias históricas.

O final do livro, pelo menos, dá um tom mais vibrante à monotonia que cerceia a história.

Enfim, acho uma pena. O livro poderia ser melhor, até porque ele denuncia algo que realmente aconteceu: a caça às bruxas ou, trocando em miúdos, a caça à independência das mulheres.

Estava tão certa de que o livro poderia ser incrível que até comprei um volume extra e dei-o de presente a uma amiga. Uma pena.

A nota do livro é, portanto, razoável/mediano. Dá para ler, mas podia ser muito melhor.

Irei ler os outros volumes. Mas sem pressa. E, com certeza,  pelo Kindle. Não acho que valha tão a pena comprar em plano físico. Quem sabe a história não melhora nos próximos volumes? Vamos torcer.

 

Nome do livro: Enfeitiçadas

Autora: Jessica Spotswood

Editora: Arqueiro

Páginas: 272 pág.

  • Ana Beatriz

    Em 24.08.2017

    Bruna, queria agradecer o seu comentário no último post do blog. Concordo com tudo o que você disse: eu também carrego esse sentimento de impotência quanto tudo o que anda rolando no mundo. E a gente fica sem respostas, sem encontrar uma solução.

    Gostei da resenha. Eu curto reviews sinceras mesmo! O tema parece ser bem legal; uma pena não ter sido bem explorado, até porque as sociedades antigas são um prato cheio pra questionar MUITA coisa (vide Orgulho e Preconceito!).

  • Bruna Pezzan

    Em 24.08.2017

    Imagina, não precisa agradecer.
    Gosto de participar desses tipos de discussão, ainda mais quando o tema é tão relevante.

    Ah, fico feliz que você tenha curtido. Adoro livros “de época”. Dá para questionar muita coisa mesmo!
    Amo Orgulho e Preconceito. É um romance lindo e, muito mais do que isso, um livro que traz à tona uma rebelde voz feminina.
    Literaturas feministas em pleno século XIX devem sempre ser aplaudidas, na minha opinião. E, quanto à Austen, eu aplaudo de pé haaha

    Obrigada por passar por aqui, também!

    Beijão :*

  • Váh

    Em 24.08.2017

    Acho dahora essas histórias com bruxas!
    Não sabia que existia uma com esse estilo, Charmed já quero ver haha 🙂
    Pena que você não achou o livro tãão bom assim :/

    http://heyimwiththeband.blogspot.com.br/

  • Bruna Pezzan

    Em 24.08.2017

    Val, super indico Charmed hahah

    Eu adoro. Tem todo aquele clima dos anos 90.

    Eu gosto muito de séries com temas sobrenaturais. Você devia assistir Buffy primeiro (melhor série do mundo, apenas) e, depois, Charmed. As duas são da década de 90! <3 <3