Resenha: Scarlet (Marissa Meyer)

Em 04.11.2017   Arquivado em LITERATURA

Sinopse:

Depois de Cinder, estreia de sucesso de Marissa Meyer e primeiro volume da série As Crônicas Lunares, que chegou ao concorrido ranking dos mais vendidos do The New York Times, a autora está de volta com mais um conto de fadas futurista. Scarlet, segundo livro da saga, é inspirado em Chapeuzinho Vermelho e mostra o encontro da heroína ciborgue que dá nome ao romance anterior com uma jovem ruiva que está em busca da avó desaparecida. Em uma trama recheada de ação e aventura, com um toque de sensualidade e ficção científica, Marissa Meyer prende a atenção dos leitores e os deixa ansiosos pelos próximos volumes da série.

Scarlet – o segundo volume da série Crônicas Lunares – dá continuidade à história de Cinder e, ao mesmo tempo, introduz uma nova personagem à trama: Scarlet.

Scarlet é uma garota durona que vive na pequena cidade de Rieux, França. Ela e a avó moram em uma fazenda e trabalham com o plantio  e a venda de vegetais.

A rotina das duas é pacata e sem muitos rodeios. Certo dia, no entanto, a avó de Scarlet –  Michelle Benoit – desaparece misteriosamente. Scarlet tem certeza de que ela foi sequestrada, embora não saiba dizer o porquê. A avó –  uma ex-piloto da Federação Militar Européia – após a aposentadoria, dedicou-se exclusivamente à fazenda. Logo, que motivo alguém teria para sequestrar uma fazendeira?!  É o que Scarlet se questiona.

Após duas semanas de uma investigação infrutífera, a polícia francesa dá o caso de Michelle Benoit como encerrado. Não existem provas conclusivas que atestem um sequestro. Nesse sentido, é muito mais provável que a velha senhora tenha desaparecido voluntariamente. É o que a polícia diz. Mas Scarlet, obviamente, não acredita. A avó não iria embora sem mais nem menos. E, com certeza, não deixaria a sua nave pessoal para trás. Não, a avó foi sequestrada. E cabe a Scarlet descobrir o paradeiro dela para, então, resgatá-la.

Quando inicia a busca pela avó, Scarlet se depara com Lobo – um feroz e perigoso lutador. Apesar de, à primeira vista, julgar que o homem está metido no sequestro da avó, ela resolve dar um voto de confiança. Lobo diz ter informações valiosas sobre o desparecimento de Michelle. Portanto, ele pode ser muito útil.

Lobo e Scarlet, então, viajam juntos para Paris. Lá, eles pretendem resgatar Michelle e descobrir o motivo de ela ter sido sequestrada.

Enquanto isso, Cinder continua presa no palácio de Kai. Sabendo das intenções homicidas de Levana, Cinder decide fugir. E, para isso, conta com a ajuda do Capitão Thorne – o prisioneiro da cela ao lado.  Os dois tornam-se os fugitivos mais noticiados e procurados de Nova Pequim.

Cinder deseja descobrir mais sobre o seu passado. Logo, ela se dirige à Europa, local onde foi adotada.

Em algum momento, os caminhos de Cinder e Scarlet vão se cruzar. Scarlet é uma peça importante para o passado de Cinder, enquanto Cinder é uma peça importante para o passado de Scarlet. As histórias de ambas se complementam. Elas só ainda não sabem disso.

Kai,  nesse ínterim,  tenta aplacar a ira de Levana.  A fuga de Cinder só despertou ainda mais a sede de sangue da Rainha.  Um ataque à Terra parece cada vez mais iminente.

O que eu achei do livro: 

Scarlet é mais eletrizante do que Cinder. Apesar dos problemas de ritmo (a história é lenta no início e tarda a ficar boa), eu gostei bastante desse segundo volume da série.

Neste livro, algumas perguntas quanto ao passado de Cinder foram respondidas, enquanto outras foram suscitadas.

A nova personagem, Scarlet, não perde em nada para Cinder. Ela também é adorável, engraçada e durona. Uma forte personagem feminina.

Lobo também é um bom personagem. Ele me irritou em alguns momentos do livro, mas ainda assim conseguiu manter o seu charme. O romance que surge entre ele e Scarlet (como já esperado) é bonito e deixa a história ainda mais leve e gostosa de ler.

É preciso dar crédito à Meyer por, mais uma vez,  conseguir recontar de forma inédita um conto de fadas. Scarlet é uma ótima releitura de Chapeuzinho Vermelho. Eu gostei bastante. E me encantei com o jeito que a autora encontrou para interligar, de uma só vez, a história de Cinder e Scarlet. Ficou inteligente e bastante verossímil.

Estou ansiosa para o terceiro livro!

Fora os problemas de ritmo, a única crítica que preciso fazer é quanto à encadernação da editora Rocco no Brasil: péssima. Poderia haver mais capricho. As páginas do meu livro, após pouco manuseio, já começaram a descolar. Fiquei bastante chateada.

A nota que dou para este livro, é 4/6 – Bom.

Scarlet é – assim como o livro anterior – uma fantasia futurista despretensiosa e gostosa de ler. Vale a pena como entretenimento.

Nome do livro: Scarlet;

Autora: Marissa Meyer;

Editora: Rocco;

Páginas: 480 páginas.