Resenha: Scarlet (Marissa Meyer)

Em 04.11.2017   Arquivado em LITERATURA

Sinopse:

Depois de Cinder, estreia de sucesso de Marissa Meyer e primeiro volume da série As Crônicas Lunares, que chegou ao concorrido ranking dos mais vendidos do The New York Times, a autora está de volta com mais um conto de fadas futurista. Scarlet, segundo livro da saga, é inspirado em Chapeuzinho Vermelho e mostra o encontro da heroína ciborgue que dá nome ao romance anterior com uma jovem ruiva que está em busca da avó desaparecida. Em uma trama recheada de ação e aventura, com um toque de sensualidade e ficção científica, Marissa Meyer prende a atenção dos leitores e os deixa ansiosos pelos próximos volumes da série.

Scarlet – o segundo volume da série Crônicas Lunares – dá continuidade à história de Cinder e, ao mesmo tempo, introduz uma nova personagem à trama: Scarlet.

Scarlet é uma garota durona que vive na pequena cidade de Rieux, França. Ela e a avó moram em uma fazenda e trabalham com o plantio  e a venda de vegetais.

A rotina das duas é pacata e sem muitos rodeios. Certo dia, no entanto, a avó de Scarlet –  Michelle Benoit – desaparece misteriosamente. Scarlet tem certeza de que ela foi sequestrada, embora não saiba dizer o porquê. A avó –  uma ex-piloto da Federação Militar Européia – após a aposentadoria, dedicou-se exclusivamente à fazenda. Logo, que motivo alguém teria para sequestrar uma fazendeira?!  É o que Scarlet se questiona.

Após duas semanas de uma investigação infrutífera, a polícia francesa dá o caso de Michelle Benoit como encerrado. Não existem provas conclusivas que atestem um sequestro. Nesse sentido, é muito mais provável que a velha senhora tenha desaparecido voluntariamente. É o que a polícia diz. Mas Scarlet, obviamente, não acredita. A avó não iria embora sem mais nem menos. E, com certeza, não deixaria a sua nave pessoal para trás. Não, a avó foi sequestrada. E cabe a Scarlet descobrir o paradeiro dela para, então, resgatá-la.

Quando inicia a busca pela avó, Scarlet se depara com Lobo – um feroz e perigoso lutador. Apesar de, à primeira vista, julgar que o homem está metido no sequestro da avó, ela resolve dar um voto de confiança. Lobo diz ter informações valiosas sobre o desparecimento de Michelle. Portanto, ele pode ser muito útil.

Lobo e Scarlet, então, viajam juntos para Paris. Lá, eles pretendem resgatar Michelle e descobrir o motivo de ela ter sido sequestrada.

Enquanto isso, Cinder continua presa no palácio de Kai. Sabendo das intenções homicidas de Levana, Cinder decide fugir. E, para isso, conta com a ajuda do Capitão Thorne – o prisioneiro da cela ao lado.  Os dois tornam-se os fugitivos mais noticiados e procurados de Nova Pequim.

Cinder deseja descobrir mais sobre o seu passado. Logo, ela se dirige à Europa, local onde foi adotada.

Em algum momento, os caminhos de Cinder e Scarlet vão se cruzar. Scarlet é uma peça importante para o passado de Cinder, enquanto Cinder é uma peça importante para o passado de Scarlet. As histórias de ambas se complementam. Elas só ainda não sabem disso.

Kai,  nesse ínterim,  tenta aplacar a ira de Levana.  A fuga de Cinder só despertou ainda mais a sede de sangue da Rainha.  Um ataque à Terra parece cada vez mais iminente.

O que eu achei do livro: 

Scarlet é mais eletrizante do que Cinder. Apesar dos problemas de ritmo (a história é lenta no início e tarda a ficar boa), eu gostei bastante desse segundo volume da série.

Neste livro, algumas perguntas quanto ao passado de Cinder foram respondidas, enquanto outras foram suscitadas.

A nova personagem, Scarlet, não perde em nada para Cinder. Ela também é adorável, engraçada e durona. Uma forte personagem feminina.

Lobo também é um bom personagem. Ele me irritou em alguns momentos do livro, mas ainda assim conseguiu manter o seu charme. O romance que surge entre ele e Scarlet (como já esperado) é bonito e deixa a história ainda mais leve e gostosa de ler.

É preciso dar crédito à Meyer por, mais uma vez,  conseguir recontar de forma inédita um conto de fadas. Scarlet é uma ótima releitura de Chapeuzinho Vermelho. Eu gostei bastante. E me encantei com o jeito que a autora encontrou para interligar, de uma só vez, a história de Cinder e Scarlet. Ficou inteligente e bastante verossímil.

Estou ansiosa para o terceiro livro!

Fora os problemas de ritmo, a única crítica que preciso fazer é quanto à encadernação da editora Rocco no Brasil: péssima. Poderia haver mais capricho. As páginas do meu livro, após pouco manuseio, já começaram a descolar. Fiquei bastante chateada.

A nota que dou para este livro, é 4/6 – Bom.

Scarlet é – assim como o livro anterior – uma fantasia futurista despretensiosa e gostosa de ler. Vale a pena como entretenimento.

Nome do livro: Scarlet;

Autora: Marissa Meyer;

Editora: Rocco;

Páginas: 480 páginas.

Resenha: A Garota do Penhasco (Lucinda Riley)

Em 01.05.2017   Arquivado em LITERATURA

 

Sinopse: 

“A Garota do Penhasco’ é um romance que enreda o leitor através de vários fios. A história de Grania Ryan e sua querida Aurora Devonshire, a garota do penhasco, nos fala sobre mudança de vida.
A história das famílias Ryan e Lisle é um lindo conto sobre um século de mal-entendidos e rancor entre inimigos que se acreditam enganados por falcatruas financeiras.
O caso de amor entre Grania Ryan e Lawrence Lisle comove por sua delicadeza e força vertiginosa que culmina em imensa tristeza (FRASE COM ERRO! – OLHE O FINAL DA RESENHA)
Mas, sobretudo, ‘A Garota do Penhasco’ é um livro que mostra como é possível encontrar uma finalidade, um propósito, quando todas as esperanças parecem perdidas.”

Sobre o enredo:

No livro,  a irlandesa Grania Ryan – uma famosa artista plástica que vive em NY – acaba de sofrer um aborto espontâneo. Triste com a perda do filho e com a situação de seu relacionamento com Matt (o seu namorado), ela resolve voltar para a casa dos pais, em Dunworley, Irlanda.

Certo dia, passeando pela baía de Dunworley, Grania avista uma menina sonâmbula prestes a cair do penhasco – a pequena Aurora Devonshire.

De rebeldes e longos cabelos ruivos, Aurora também não teve uma vida plenamente feliz. Aos 4 anos, viu a mãe, Lily Lisle, se suicidar – quando esta se jogou do alto do penhasco. Desde então, a menina vai  frequentemente a esse mesmo penhasco, durante à noite, em episódios de sonambulismo.

Logo, as vidas de Grania e Aurora acabam por se interligar. De uma maneira fácil e muito espontânea. O que ambas não sabem é que, talvez, essa ligação não seja ao acaso. Ela é antiga e quase proposital. As famílias das duas possuem, juntas, uma história que já remonta a séculos. Essa história é cheia de enganos, embustes e desencontros. Mas, o mais importante, é uma história permeada de amor. Amor de uma mãe por uma filha. Amor de uma esposa pelo seu marido. Amor de uma família pelos seus entes queridos.

Em suma, A Garota do Penhasco vai tratar sobre este mesmo assunto (sobre o qual muitos poetas, contistas, escritores e musicistas já se debruçaram): o amor. Mas vai fazê-lo de uma forma ora diáfana (bem como acontece nos contos de fadas), ora real.

A autora deixa bem claro, em alguns momentos da narrativa, a sua crença religiosa (que me pareceu ser o espiritismo). Mas isso, na minha opinião, não atrapalha em nada a leitura – nem mesmo para aqueles que seguem outra religião. De certa forma, achei que o livro teve mais sentido e ficou ainda mais interessante a partir dessa perspectiva.

No livro, somos apresentados aos antepassados da família Ryan e Lisle. A narrativa desloca-se para a Irlanda e  a Inglaterra  da Primeira Guerra Mundial – onde conhecemos a empregada Mary (bisavó de Grania) e a pequena Anna (que, em muito, lembra Aurora).  Nesse sentido, podemos dizer que o livro é um romance histórico. E não é para menos: Lucinda Riley é apaixonada por história e essa paixão lhe deu a inspiração necessária para escrever a maioria dos seus romances.

O que eu achei do livro: 

A Garota do penhasco foi um livro que me surpreendeu muito positivamente. Eu esperava muito menos. E ganhei muito mais.

A verdade é que achei esta leitura tremendamente envolvente.  Eu me conectei aos personagens. Achei – os verossímeis e com profundidade. A mensagem que o livro traz é também muito bonita: esperança e amor. O amor não resolve todos os problemas, mas ele os torna mais suportáveis.

Ás vezes, tudo o que precisamos na vida é nos encontrar. Buscar a nossa própria identidade. Decifrar a nossa própria confusão interna. E é exatamente isso que Grania faz, quando decide sair de NY e buscar aconchego na casa dos pais, na Irlanda.

O livro também questiona bastante essa coisa chamada “acaso”, “destino” e “carma”. E, repito, o livro se torna muito mais claro quando o analisamos por meio de uma perspectiva religiosa (o espiritismo).

Em suma, achei esta uma leitura maravilhosa. No início, podem surgir algumas estranhezas com a narrativa. Eu confesso que fiquei muito incomodada, à princípio, com a quantidade de vezes que a palavra “querido(a)” foi utilizada. Era “querida” pra lá,  e “querido” para cá.  Chegou a me incomodar, sinceramente. Não sei se este foi um problema de tradução ou se a autora realmente usou esta palavra de forma exaustiva. Porém, conforme a história ia se desenvolvendo, eu parei de me preocupar com este detalhe.

Não posso dizer que Lucinda Riley foi completamente original ao escrever esta história. Existe originalidade, mas eu percebi alguns clichês.

A Editora Novo Conceito também foi muito desatenciosa com a sinopse impressa na parte de trás do livro. Houve um erro nesta frase  “O caso de amor entre Grania Ryan e Lawrence Lisle comove por sua delicadeza (…)”. Não existe nenhum caso de amor entre Grania e Lawrence, até mesmo porque este já havia morrido há mais de 50 anos quando a personagem nasceu.  Compreendo, portanto, que a Editora cometeu uma gafe nesse sentido.

Apesar destas falhas, a história me foi muito satisfatória. Eu me senti envolvida e tive aquele gostinho de “quero mais” assim que terminei a leitura.

Por isso mesmo, a nota que dou ao livro é 5/6 – excelente.

Para aqueles que gostam desse tipo de literatura, com certeza vale à pena ler.

Nome: A Garota do Penhasco;

Autora: Lucinda Riley;

Editora: Novo Conceito;

Páginas:  528 pág.

 

 

O que eu achei do live – action de “A Bela e a Fera”

Em 17.03.2017   Arquivado em CINEMA

Ontem eu assisti ao filme mais esperado de 2017: A Bela e a Fera.  E, sim, eu saí do cinema ainda mais apaixonada por esse clássico maravilhoso que marcou a minha infância.

Não é segredo nenhum que Belle sempre foi a minha princesa favorita da Disney. Destemida, sonhadora e leitora voraz, Belle é um reflexo de mim mesma. Eu me identifico demais com ela – e não apenas na personalidade, mas também na aparência física. Cabelos ondulados e castanhos? É … nós também temos isso em comum.

Por esses  (e por muitos outros) motivos, eu estava ansiosíssima para a estréia de The Beauty And The Beast. Queria muito ver a Emma Watson (minha eterna Hermione) dando vida a essa personagem tão querida – a Belle.

O roteiro do filme foi bem escrito e os atores muito bem cotados. Acho que a Emma conseguiu, definitivamente, entrar na pele de Belle. Dan Stevens também interpretou maravilhosamente a Fera (the beast). E nem preciso dizer quão bem Luke Evans conseguiu encarar toda a vaidade e a crueldade do Gaston, certo? A escolha dos atores foi acertada. Portanto, ponto positivo para o longa!

Precisamos falar sobre as canções do filme. Estavam maravilhosas! Como não se apaixonar por canções como Belle Reprise ( “I want much more than this provincial life”) ou  Tale as Old as Time (“Beraly even friends, then somebody bends unexpectaly”)?!

O figurino dos personagens estava de tirar o fôlego. O cenário foi extremamente bem caracterizado também.

No geral, o live action segue o itinerário do clássico produzido em 1991. Muitas cenas do live action estão idênticas às do desenho da Disney. Existe uma grande sintonia entre as duas produções. Você, com certeza, vai sair da sala de cinema com sentimentos nostálgicos (veja mais sobre isso aqui).

Se por um lado o longa de 2017 é fiel ao de 1991, por outro é possível afirmar que não houve muitas surpresas ou inovações. E isso, ao menos para alguns, pode ser considerado como um ponto negativo.

Gostei muito da representatividade que o filme trouxe para as minorias. É claro que um filme com Emma Watson no papel principal teria um apelo feminista. Na verdade, se você parar para pensar, o desenho de 1991 já era bastante feminista para a época (eu falo sobre isso aqui). Porém, eu adorei a forma como o live action intensificou isso.

O filme, na medida em que introduz um personagem gay (o LeFou), também representa os homossexuais.

Em suma,  eu amei esse novo filme. Ele mistura romance, animação e aventura, além de ter uma “moral da história” pra lá de importante.  Valeu à pena esperar. Pura e simplesmente.

E vocês? Já assistiram ao filme? O que acharam? Conta tudo! <3

 

 

Página 1 de 212